23 de setembro de 2011

. Carpe diem quam minimum credula postero .

Quantos passos você caminha por dia?
O que encontra enquanto vai?
Calçadas tortas, cimento, vitrines, capital.
Nosso caminho não é ideia, é material.
Nossa arquitetura deveria dizer mais do que representa.
Nossos jardins poderiam ser expressões em natureza.
Nossas casas deveriam trazer o colorido da alma e não as cores da moda.
Somos estimulados o tempo todo a possuir, não a pensar.
Carpe Diem.
Carpe Diem.
Carpe Diem.
Quam minimum credula postero.
Ora, nosso presente é o caminhar.
O futuro é o lugar onde chegamos.
Então façamos do caminho um passo diferente.
Façamos de cada passo um espaço de imaginação.

Isso é lixo-capital:

Isso é pensamento
[porque aqui existe alma]



P.S: Estou torcendo para que não chova no fim de semana. Vou começar a cultivar o meu jardim.

Um comentário:

Oz disse...

Excelente post Carol, muchas gracias por compartirlo. Te quiero invitar a mi nuevo Blog de Cine de Terror que seguramente te gustará, espero tus comentarios en:
http://terror-en-el-cine.blogspot.com/

Un gran saludo, Oz.