17 de junho de 2010

. mr. izavo .

Nada está no lugar.
Alias, nem sei mais qual é o lugar de cada coisa por aqui.
Eu me sinto como uma ninfa, entre a larva e a borboleta.
E não tem nada pior nesse mundo que a indiferença,
[que o não-ser, que o não-sentir].
Tenho tido dias de vegetação.
E nem a raiva explode mais em mim,
Porque minhas dores terminaram com o mês de maio.
E tu sabe neh?! A dor move o homem – tanto quanto o desejo.
Agora, se quiserem espiar meus tropeços
[ou achar graça no niilismo do meu universo],
Eu deixo estar [e até agradeço].
Quem sabe assim me seguro em algum riso.
E tomo a voz que ouço como vetor para o caminho de volta.
.
.
Semana que vem devem me convidar pra alguma festa pobre.
E eu vou voltar a me divertir!

Um comentário:

Aline Schons disse...

Concordo, não existe nada pior que a indiferença. Sou solidária com o teu texto. BEIJOCAS